Crise na Ucrânia: acendeu forte luz amarela

*José Álvaro de Lima Cardoso

O mundo tem visto, perplexo e temeroso, os acontecimentos na Ucrânia e as
imagens de tropas do exército russo se dirigindo para a imensa fronteira entre os dois
países. Ainda que num processo desse tipo a primeira a ser sacrificada seja a verdade
dos fatos, o risco de uma guerra parece ser premente. Não se trata de um conflito
localizado e de caráter regional. O país tem posição geográfica privilegiada, no Sudeste
da Europa, e é o segundo maior país do continente, depois da Rússia. Além disso o
país tem 1.576 km de fronteira com a Rússia, o que também o torna objeto de atenção
geopolítica dos países imperialistas, no contexto mundial da disputa entre potências. A
ucrânia possui também população expressiva, de 44 milhões, quase equivalente à da
Espanha.
O problema imediato principal no conflito são as tratativas do país para ingressar na
OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), o que interessa diretamente os
países imperialistas, especialmente aos EUA, cujo governo, sob Biden, resolveu correr
atrás do espaço perdido internacionalmente, nas últimas décadas. A Ucrânia na OTAN,
com possibilidade concreta de armazenar armamentos pesados, sem dúvida ameaça a
segurança estratégica da Rússia. É quase como que Cuba alojar bombas nucleares
russas em seu território, a 150 KM de Miami.
Enquanto um movimento desse intrincado tabuleiro de xadrez, no dia 18 de janeiro
a Rússia exigiu que a OTAN garanta que Ucrânia e a Geórgia, que também faz
fronteira com a Rússia, não ingressem na Organização militar. Esse detalhe é
fundamental, porque o artigo quinto do Tratado da OTAN, prevê que se um paísmembro for atacado militarmente, é como se o conjunto dos membros tivessem sido
atacados. A Rússia exigiu também que os EUA parem de realizar manobras militares
na Europa do Leste, nas barbas de Moscou. Imaginem a reação dos EUA, se Rússia
ou China começassem a fazer treinamento militar no território da Venezuela ou da
Nicaragua. Um míssil disparado a partir de Kiev levaria apenas alguns minutos para
alcançar Moscou.
O governo russo nega que esteja pretendendo invadir a Ucrânia e afirma que o
deslocamento de tropas para a fronteira tem caráter preventivo. Mas se nenhum dos
dois lados recuar, a chance de um conflito grave é muito grande. No caso da Rússia a
possibilidade de recuo é ainda mais remota porque, concretamente, a entrada da
Ucrânia na OTAn representa um risco real e direto à segurança do país, que o governo
russo tanto preserva.
O governo dos EUA, ao mesmo tempo em que fornece assistência militar ao governo
de Kiev, faz um jogo de cena de que estaria tentando ao máximo evitar o conflito. Os
EUA querem impor uma visão de democracia formal, alegando o direito de a Ucrânia
fazer parte, como pais soberano, de qualquer organização que deseje. Mas este é um
protocolo que não leva em conta a geopolítica e o mundo real dos riscos da guerra,
numa região que é um verdadeiro barril de polvora.
Recentemente, em uma visita a Kiev, o secretário de Estado norte-americano,
Antony Blinken, previu que a Rússia pode lançar um novo ataque sobre a Ucrânia em
um “prazo muito curto”. Prometeu também, caso haja a invasão impor severas sanções
econômicas contra a Rússia. A reunião entre Blnken e o ministro russo de Relações
Exteriores, Sergei Lavrov, no dia 21/01, apesar das promesas recíprocas, foi muito mais
um jogo de cena do que uma ação efetiva para desarmar a bomba relógio do conflito.
As possibilidades táticas da Rússia são várias: é possível uma incursão armada no
país, a superioridade militar da Rússia sobre a Ucrânia é imensa. Pode também fazer
ataques cibernéticos, campanhas de contra informações, etc., ou, o que é mais
provável, combinar todas essas formas de guerra híbrida. O governo Joe Biden vem
pedindo uma posição firme da União Européia (EU) sobre sanções econômicas à
Moscou. Mas o Bloco não tem unidade sobre o assunto, inclusive tem medo de
prejuízos às suas próprias economias. Há também um aspecto fundamental para a
União Europeia que é o fornecimento de gás da Rússia. No que refere ao gás o governo
estadunidense promete ajudar a Europa, mas qual o custo financeiro de uma ajuda
desse tipo, em meio a uma grave crise econômica?
O governo norte-americano tem afirmado que o Kremlin está considerando a
possibilidade de uma operação de “false flag” (bandeira falsa), ou seja, estariam
pretendendo realizar um ataque ao próprio país, através de agentes russos. Vamos
combinar que os norte-americanos têm grande conhecimento de causa sobre o
assunto, pois já utilzaram a “bandeira falsa” inúmeras vezes. Por exemplo, em 1964 o
Congresso dos EUA autorizou o presidente da república a ampliar a participação dos
Estados Unidos na guerra do Vietnã, supostamente em decorrência de um ataque
vietnamita a um navio de guerra dos EUA em águas do golfo de Tonkin. Na ocasião,
apesar dos Estados Unidos apoiar politica, financeira e militarmente o Vietnã do Sul,
ainda não estava em aberta hostilidade contra o Vietnã do Norte. A Resolução do Golfo
de Tonquim deu autorização legal ao presidente Lyndon Johnson para entrar com toda
a força na guerra. Não adiantou, claro, o governo do Vietnan do Norte dar várias
declarações oficiais de que houve apenas uma reação mínima, protocolar, ao fato de
que navios de de guerra dos EUA entraram em suas águas territoriais para espionar e
planejar futuros ataques.
Temos que procurar entender a política do governo de Joe Biden (econômica,
política e militar), olhando a situação mundial de conjunto. Além de uma crise
econômica extraordinária, o polo político que Biden representa está também em grande
agonia.Se as eleições presidenciais fossem hoje, é possível que Donaldo Trump
ganhasse. A crise é muito significativa, o mundo parece estar caminhando para uma
situação de verdadeiro colapso político e econômico, como poucas vezes se viu na
história.
Apesar de muitos acharem que Joe Biden era um “democrata” ou “progressista”,
seja lá o que significam estes conceitos, na realidade ele é um homem muito mais ligado
à máquina de guerra norte-americana, do que era Donaldo Trump, por exemplo. Vamos
lembrar que, quando o Brasil sofreu o golpe de Estado em 2016, inclusive com
antecedentes de espionagem norte-americana nos telefones da presidente da
República do Brasil, Biden era o vice de Obama. E certamente sabia das articulações
do golpe, não só no Brasil, mas em toda a América Latina.
Há uma avaliação por parte do governo Biden, explicitada desde o primeiro dia de
gestão, de que a China está ocupando um espaço econômico exagerado,
desproporcional ao seu poderio geopolítico e militar no mundo. Poderio econômico e
poder bélico são fatores intimamente interligados. Portanto, a relação com a China, mas
também com a Rússia, já ficou muito mais tensa, em função da postura dos EUA em
relação a comércio, direitos humanos e as origens da Covid-19. No ano passado os
Estados Unidos colocaram na lista maldita dezenas de empresas chinesas, utilizando
meros pretextos.
Com Biden, os norte-americanos deverão promover uma série de conflitos militares
no mundo, “por procuração” com outros grupos, tropas irregulares, mercenários, como
fizeram na Síria e inúmeros outros países. Tem aumentado muito a hostilidade dos EUA
contra a Nicaragua, Cuba e Venezuela. O objetivo é estimular a oposição interna para,
apoiado pela OTAN (organismo dominado pelos EUA), partir para agressões militares.
Joe Biden foi o candidato da máquina de guerra norte-americana: Pentágono, falcões,
Cia e demais serviços de espionagem, forças armadas, grande capital imperialista, etc.
Ou seja, a essência da política imperialista apoiou Biden. Trump presidente, comparado
com Biden, era um “estranho no ninho”, acusado, inclusive, de aproximação com a
Rússia.
O padrão de vida conquistados pelos norte-americanos está relacionado à sua ação
imperialista no mundo todo. Então, ao mesmo tempo em que eles tem que se preocupar
com a disputa geopolítica com a Rússia, estão de olho no tabuleiro político
latinoamericano. Não é nada específico contra a Rússia ou China. É que atuam como
um Império que são, e aqueles são seus principais rivais. Se quisermos entender a
natureza da “democracia” nos países imperialistas, precisamos saber que o orçamento
militar dos EUA para este ano, de US$ 768 bilhlões, é superior aos orçamentos militares
somados dos 10 países seguintes com os maiores orçamentos.
Diferentemente da Rússia e China, que são potência regionais, os Estados Unidos,
além de suas frotas de porta aviões, navios e submarinos nucleares que cruzam os
mares de todo o mundo, possuem mais de 700 bases militares terrestres fora de seu
território nacional nos mais diversos países (inclusive no Brasil). Eles conseguiram
essas bases através de tratados e do peso econômico da economia norte-americana,
do imperialismo norte-americano. Russos e os chineses não têm esse poderio. Uma
das razões dos EUA terem encaminhado o golpe no Brasil foi a aproximação com a
Rússia e a China através dos BRICS. Em 2015, antes do impeachment, o Brasil tinha
assinado com a China 35 grandes projetos de infra-estrutura no país, incluindo a
Ferrovia Transocenianica, ligando o Atlântico ao Pacífico, ligando o Brasil (RJ) à Lima,
no Peru.
Um sintoma de que a política do “grande porrete” dos EUA funciona nas relações
internacionais, foi o quase sepulcral silencio da China e da Rússia, em relação ao golpe
no Brasil, assim como nos demais países da América do Sul. A China perdeu uma
porção de negócios na América Latina toda, por causa dos golpes, mas não se
manifestou mais fortemente, com receio da reação dos EUA.
Os norte-americanos querem obrigar Rússia e a China a recuarem das posições
geopolíticas que eles adquiriram no último período. Eles vão procurar fazer com que os
russos e os chineses gradativamente cedam terreno, tanto do ponto de vista militar
como do ponto de vista econômico.Como potência regional e considerando a
importância geoestratégica da Ucrânia para a Rússia, é muito difícil os russos recuarem.
As guerras realizadas pelos Estados Unidos no mundo, deixam um saldo terrível de
mortes e miséria, inclusive na época de Obama, que, hipocritamente, recebeu o Nobel
da Paz. O risco de uma guerra não pode ser subestimado. Este risco deve ser colocado
como o mais elevado porque as suas consequências são terríveis. O momento em que
vive a economia e a políticas mundiais, coloca com muita força essa possibilidade. A
tensão mundial entre de um lado o bloco imperialista e, de outro, China e Rússia, e a
crise na Ucrânia, não significa que haverá guerra com certeza. Mas a luz amarela está
acesa para quem tem olhos e ouvidos abertos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s